quinta-feira, maio 29, 2014

Desmaio


Eu sou maio
Meio que quase
Todos os meses

Antes da metade
Do calendário
Foi-se meia vida

Meu tempo
É parte inteira
Do que mal consigo contar
Numa das mãos

terça-feira, maio 20, 2014

Metades


Depois das 13h57, minha alma terá dias e noites iguais
Iguais
no tempo
na angústia do sol
no enigma da lua
na intensidade da noite

Verei minhas metades inteiras
Plenas
no fenômeno da incompletude
na inteireza da ausência
no vazio necessário

Saberei do cair das folhas secas
Sepultando
minuto a minuto
as horas dos dias que me restam
as estações dos anos que me faltam

O outono é aviso
pai dos corações desabrigados
mãe das almas inquietas
soberano senhor das igualdades
realçando o frágil de nossas correntes

segunda-feira, abril 21, 2014

Incandescência

a luz
sobre
a mesa

discerne
sombra
e vulto

vomita
o hálito
da noite

por entre
frinchas
de presença

o brilho
morno
da vela

revela
ela

domingo, janeiro 19, 2014

Chamamento


Teu nome não me dorme
Tem a pronúncia da insônia
E o som das horas escuras

Guardo cada sílaba no úmido da língua
Sei de teu apelido de escola
E os diminutivos usados em família

Tua palavra não me foge
É um arpão fisgado na carne
Letra tatuada na pele da memória

Teu nome me grita e me arde
Fosflorescendo no canteiro da noite
É signo raro, verbete de luz

Teu fonema me chega vagalumeando
Eu, sonâmbulo, escuto o vagar das marés
Soletrando rimas contra a pedra da alma

segunda-feira, janeiro 13, 2014

Mar & cia


a
sombra
se soma
a si

sombras
são
sem som
sem asas
sem chão

assombro
aço
ombro
brasão

obra
abraço
desolação

sol
si
verão
Google